3.12.08

Fugir para o circo e sentir, sentir e sentir

Tá, fiquei assustada agora. Essa entrevista foi quase tão nonsense quanto aquela da Gretchen.

Mallu Magalhães deu a entrevista à Época São Paulo quando “tinha acabado de chegar da escola”, enquanto “comia sua merenda com Toddynho”. Toddynho tá fazendo mal pras criancinhas.

Atentem:


"As pessoas que não dão chance ao coração perdem as coisas. Elas se deixam enganar pelo medo de serem enganadas. A gente não pode ter esse medo. Ser enganado nem sempre é ruim. Eu, pessoalmente, me deixo ser enganada."

(a criança filosofa em torno de sentimentos)


Você sai pra dançar?
"Dentro de mim, lógico."

(q/)


"Não sabia, mas agora vejo como eu fazia coisas que não queria. Eu não queria mais ficar ali, queria coisas muito acima. Mas não me culpo por isso, era uma criança, uma iniciante de vida – ainda sou. A gente é uma eterna renovação."

"Eu era uma criança triste. Ou melhor, era uma criança feliz dentro de uma vida de criança. Mas quando você se torna adulto e tem que continuar em uma vida de criança, você não se torna uma criança feliz, mas um adulto infeliz. E é muito difícil lidar com isso. Será que se pode ser um adulto feliz? Talvez. Acho que o mundo é completamente talvez."

"E quando você consegue entregar o coração, chega à liberdade."

(e faz muita poesia bonita)



( do Te Dou Um Dado?)


"Eu sempre quis fugir com o circo, mas nunca pude fugir."

"É, entrar em um ônibus e fugir com o circo. Queria poder pintar, fazer os cenários, as roupas, colocar o coração deles ali."

"Eu nunca pensei que fosse ser artista. Achei que fosse ser veterinária ou assistente social. Ou motorista de ambulância."

"É muito bom chegar perto das pessoas que você admira. Por isso eu sempre quis ser jornalista. Queria fugir com o circo para entrevistar as pessoas na viagem."

(coerência, não trabajamos)


"Nasci num contexto e não posso relutar contra ele – ainda que dentro de mim eu relute."

"Eu não queria estudar, não queria fazer parte da classe social na qual nasci, por exemplo. Se pudesse optar, estaria vivendo de outro modo. Queria poder morar no meu apartamento, eu sozinha, um gato e meu devido amante."
(ui)


"Mas para compor, nada mais bonito do que a auto-aceitação de mudar."

"Se você muda você mesmo, você já muda as coisas. E as coisas são as suas coisas."

"Eu falo um monte de coisas da boca pra fora e, depois de um tempo, vejo que aquilo era exatamente o que eu devia ter falado. Era da boca pra dentro."

(q/)²

"Passei dias e noites refletindo – e eu não sou disso, prefiro gastar esse tempo sentindo."

"O mais legal de tudo foi que ele conseguiu tirar o que estava na minha cabeça e eu não sabia dizer. Era isso que eu queria e nunca soube. É muito amor saindo por aquelas teclinhas."

(a criança sente)


"Independente da idade, eu sou uma artista."

"Se eu fosse uma menina do rock, meio mano, líder da banda, seria mais fácil alguém me dizer, por exemplo, que não gosta do meu jeito de gritar."

"Várias gravadoras grandes – inclusive todas – me chamaram para conversar. Mas nenhuma ofereceu uma proposta que eu pensasse que poderia realmente ser bom para o artístico Mallu Magalhães."

(e a criança acha que pode)


Perturbou um pouco.

7 Responses:

deLira said...

medo dela, manhê!!!!

Marcela Cataldi Cipolla said...

Ela é só uma menina e a mídia está pegando pesado com ela. E aquela história do namorao com o Marcelo Camelo?

Yuri Gonzaga said...

Acho esse post muito chato. Ela fala várias coisas legais na entrevista, assim como uma citadas como pérola: "as grandes gravadoras - inclusive todas". Acho que ela não foi burra, mas engraçada.
O que o repórter faz é meio de sacanagem, sabe, manter algumas coisas que se usa em língua falada e não em escrita. Isso é claramente pejorativo e pessoal.
Até agora eu não entendi a do toddynho! Ela não podia estar tomando? Foi o repórter quem citou, não ela.

Daniele Melo said...

Sobre o Toddynho foi a Ana quem falou! Você é muito malvado!

Ana said...

e mal-humorado, néam?


a idéia não foi fazê-la parecer burra. Ela é só uma criança mesmo, e a intenção aqui foi justamente fazer pensar sobre o modo insano como a mídia e as pessoas a estão tratando.

Bru said...

porrada no Yuri! rs*

Bru said...

Puts, posso dar uma de magoada?

Essa menina é uma fofa! Uma tchutchuca... É mto pura e gentil e bem educada e feminina... Gracinha...

Mas, longe de ser a última coisa do mundo com 16 anos, por favoooor!

Já disse uma vez no CALC... Imagina acordar todo dia ao lado de Mallu enquanto ela dá "Bom dia, margarida! Um sanduba, tchubaruba!"...

Nem todas as crianças são assim ao 16, pois nem todas as crianças podem ser crianças aos 16...

Mágoa de esquerda, ainda por cima!